terça-feira, 15 de novembro de 2011

Aonde está a nossa fartura?


O universo e o mundo são ricos em grande demasia, alguém duvida disto? Mas se assim o é, por onde anda tanta riqueza? O que há que observamos tanta miséria pelo mundo e ao nosso redor? Por que tanto desequilíbrio assim? O sistema moderno obriga a maioria das pessoas a trabalharem apenas para garantirem a sobrevivência com certa dignidade e, muitas e muitas vezes, nem a isto corresponde! Muitos dizem, talvez com certo exagero, ou não, que os antigos escravos tinham uma vida melhor e mais tranquila que os cidadãos ditos livres de hoje em dia. Impostos e mais impostos, onde vai parar todo este dinheiro? Especulações nas bolsas de valores e juros e mais juros bancários, para onde vai tudo isto? Grandes fortunas, concentração de renda nas mãos de uns poucos, grande miséria para a exuberante maioria da população. Observamos pelo situação atual uma grande sangria no sistema capitalista mundial. E esta sangria, inevitavelmente, levará à morte todo o sistema atual, como vemos já hoje a derrocada de grandes e prósperas nações e até mesmo a possibilidade de falência de continentes inteiros. O processo econômico é "canibal", pois ele mesmo se auto devorará até a sua própria morte. Mas qual o defeito que há para que isto esteja assim por acontecer? Há a falta de união e organização das maiorias, apenas isto. As minorias comandam e saqueiam a maioria desorganizada e esta não se organiza para poder mostrar seu poder e participar de toda a riqueza que lhe é de direito e obrigação! Digo sim, obrigação, pois temos que encarar a obrigação de sermos felizes e plenamente satisfeitos com a fartura que este mundo nos oferece. Podermos estender isto à nossa família, descendência e também ao nosso próximo. A proposta trazida pelo novo modelo de mercado, a longo prazo, trará esta expectativa, onde, não só proporcionará uma redistribuição mais justa da atual renda, como também a sua multiplicação com grande abundância. O melhor de tudo isto, o mais impressionante, é que seus efeitos iniciais poderão ser sentidos de imediato, por todo aquele que de perto nos acompanhar em um breve futuro. Basta acreditar!

domingo, 30 de outubro de 2011

O ideal da democratização econômica de mercado

Como sabemos, através de nossa história, diversos movimentos políticos-sociais destinados à uma redistribuição justa e igualitária de rendas, fracassaram. A ideia de uma sociedade justa, controlada pelo estado, o socialismo, sucumbiu na década de 80 do século passado, pois não era mais possível sacrificar a liberdade do povo em prol deste objetivo, o preço para isto era muito caro, uma quase escravização populacional que tolia a liberdade e a motivação pessoal de todos. Daí, o controle econômico baseado na liberdade, o capitalismo, se manteve como a forma mais eficaz para o desenvolvimento de mercado. 
Diferentemente do que ocorre na Economia Planificada ou Economia de Estado, onde a produção econômica é dirigida pelo Estado, na Economia de Mercado a maior parte da produção econômica é gerada pela iniciativa privada. Indústria, comércio e prestação de serviços são controladas por cidadãos particulares, ou seja, são empresas do setor privado que detêm a maior parcela dos meios de produção. “ (Fonte: Wikipédia)
O que vemos hoje, no entanto, é a consequência de um verdadeiro ataque de canibalismo micro e microeconômico mundial. O sistema de livre mercado, coloca a detenção do capital mundial nas mãos de poucos, gerando uma concentração de rendas muito desigual. Isto provoca o colapso atual que testemunhamos pelo mundo. Hoje, não apenas falamos mais em quebras empresariais, falamos sim em quebras de países e até mesmo de continentes inteiros, destaque ao caso europeu. Pela atual globalização de mercado, tememos mesmo uma eminente quebra econômica mundial!
O que está ocorrendo é um defeito no atual sistema capitalista, a concentração desigual de renda gera seus déspotas econômicos, o que leva a população a um constante empobrecimento. Por outro lado, os grandes detentores de capital de hoje, também se colocam sob auto-ameças, pois sem a capacidade econômica do povo, estes mesmos também perecerão.
A solução para isto é a reorganização do capital, feita atribuindo-se um controle de mercado democrático que deve ser movido para as mãos do grande contingente populacional de consumidores. Trazermos de fato, de forma real, o comando de mercado para nossas mãos, consumidores, será a saída para o eminente caos econômico atual. Isto proporcionará o enriquecimento da classe popular e o aprimoramento das empresas fornecedoras de produtos e serviços à população. Precisamos para isto, organização e união populacional! O projeto da Sociedade União Fênix é o sistema capaz de iniciar este movimento. Sabemos que a mudança total proposta com a chegada desta nova era esperada, não se fará do dia para a noite, poderá ser algo ainda secular, talvez sim, ou talvez não. Porém, a semente a ser plantada hoje por nós e as suas recompensas serão notadas de imediato, no mesmo instante de sua inauguração que poderá ser algo muito, mas muito breve mesmo. Pessoas do bem, com visão plena de um futuro melhor para todos, que buscam muito mais em suas vidas, venham caminhar conosco nesta fantástica aventura! Sejam reconhecidos como os heróis desta nova revolução econômica, feita sem violência, apenas com paz, união, organização e muitas novas amizades!

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Corrigindo um defeito do atual capitalismo

Observem o modelo atual capitalista! Parece haver algo errado! Quando há aumento da demanda os preços sobem, quando seria mais lógico diminuírem! Existem muitas empresas em dificuldades financeiras, muitos trabalhadores não conseguem pagar suas contas ao final do mês. Há um excesso de empresas no mercado varejista, isto acarreta a pulverização do capital e o consequente empobrecimento populacional. A busca do crédito é a maior fonte de riquezas para as instituições financeiras, estas sim, enriquecem neste círculo vicioso. A organização do consumo corrige este defeito econômico. Uma consequente diminuição do número de empresas varejistas acarretará o enriquecimento das empresas remanescentes pelo aumento de sua demanda. O compartilhamento do aumento desta riqueza com a população gerará uma nova redistribuição de renda que, por sua vez, aumentará o consumo. Pelo nosso Sistema, o consumo aumentará, porém os preços cairão, invertendo-se o que conhecemos hoje por lei de mercado. Assim, teremos a deflação com o aumento de consumo. Aumentando o consumo, o setor industrial aumentará sua produção e as receitas fazendárias aumentarão também sua arrecadação. Tudo parece utopia, ninguém sai perdendo, todos ganham em plena harmonia! Será isto possível um dia? Todos queremos que sim!

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Rede de conexões entre pessoas


Cada época da civilização humana possui sua forma específica de organização: a burocracia foi a resposta natural à Era Industrial, agora vivemos o nascimento da Era da Informação e, consequentemente, o surgimento de uma outra estrutura organizacional.
Os estudiosos da atualidade - e que aqui citamos Jonh Naisbitt Alvin Tofler - em seus textos mais atuais estão preconizando a chegada de uma nova era, na qual os seres humanos serão cada vez mais associativos e interligados, formando aquilo que chamamos de networks ou redes de conexões entre pessoas. O futurologista John Naisbitt cita a transição da hierarquia para network como uma das dez maiores megatendências que estão moldando o futuro.
Basicamente, a origem das networks são as associações informais, os clubes de interesses comuns, em formatos de agrupamentos de pessoas semelhantes, independentes, autoconfiantes, autodeterminadas e altamente direcionadas por um propósito único. Uma dinâmica de pessoas contatando pessoas, unindo-se e otimizando idéias e recursos. Uma verdadeira teia de participantes autônomos, unidos por valores compartilhados.
FONTE: Lipnack e Stamps - Networks Redes de Conexões Entre Pessoas

terça-feira, 9 de agosto de 2011

O significado de nossa Logomarca

Na Logomarca Oficial temos as 3 Alas de nosso Sistema representadas pelas 3 setas. A superior, próxima à cabeça da águia (ou Fênix), representa a Central que constitui a inteligência e o controle do Sistema. À esquerda da imagem, ou seja, a que fica próxima ao lado da asa direita da águia, em movimento ascendente, representa os Consumidores em ascensão. À direita da imagem, ou seja, a que fica próxima ao lado da asa esquerda da águia, em movimento descendente, representa as Empresas, nossos importantes parceiros, mas em queda de poder de comando de mercado. Figurativamente fazemos um paralelo e reparamos que a águia necessita de suas 2 asas para voar e a cabeça para controlar o seu vôo. Por sua vez, o movimento em sentido de rotação horária, retrata o grande redemoinho econômico (revolução) que o Sistema oferece ao mundo. A elipse azul, que envolve o desenho, representa o nosso mundo. O vermelho do centro, representa o fogo da Fênix que queima um antigo padrão (de mercado) para o renascimento de um novo. Este novo padrão é representado pela águia dourada, a Fênix, que renasce deste fogo e extrapola os padrões do desenho da elipse e então exorta à extrapolação do antigo conceito de mercado, até então, vigente no mundo.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

O assunto é muito sério

Estamos aqui hoje para dar vida à maior e mais poderosa ferramenta de marketing já produzida pela humanidade. Algo muito óbvio, mas que não se sabe que já tenha sido feito em lugar algum do mundo ou em qualquer parte de nossa história. Pela nossa força de organização e união seremos um, um único e enorme comprador. Assim teremos todo o poder de mercado em nossas mãos!

Mudança de hábitos

Antes de eu querer mudar o mundo em definitivo, preciso continuar mudando a mim mesmo!
Não é necessário mudar o hábito de todos! Precisamos apenas mudar o hábito de uma pessoa para que este milagre aconteça, o seu! Todos terão a sua vez! Serão um por um.... Eu mudo meu hábito, você muda o seu?
Uma força de união maior do que já foi vista até os dias atuais.

Dificuldades e compensações para o início

O início sempre é o mais difícil, mas também é o mais promissor. É tudo uma questão de justiça natural e proporcionalidade!

Provando que o futuro deve ser diariamente reescrito

Alguém que consiga prever o futuro jamais poderia ganhar fortunas jogando em um cassino onde haja uma roleta viciada, pois a cada previsão que este possa fazer e apostar, o crupiê mudaria o resultado previsto para que este último sempre perca. Assim, concluímos que o futuro jamais poderia estar escrito e a cada decisão tomada no presente o futuro irá infalivelmente ser alterado!

O futuro somos nós que fazemos

Não creia que o futuro já está escrito e determinado por algo que está alheio à nossa vida e vontade. O futuro é escrito no presente, diariamente através das ações que determinam o nosso livre arbítrio. A colheita do amanhã é a semeadura do hoje. Somos os donos de nosso futuro!

Como ensinar

Pratique o bom humor ao ensinar as pessoas, mas saiba manter a seriedade quando convier. Eu me lembro que os professores que mais me ensinaram, os mais conceituados entre muitos, eram aqueles que ensinavam fazendo-nos rir... Muitas destas lições jamais me esquecerei porque me lembro de como foi divertido aprendê-las!

Leis de mercado

Estamos a propor a correção um defeito presente na sociedade humana desde a sua fundação. As leis de mercado não traduzem a justiça para o presente social. A força da maioria nunca prevaleceu. A lei da oferta e procura deveria ser oposta ao que hoje temos: Quanto mais se compra, menor deveria ser o preço a pagar e não o contrário.

domingo, 7 de agosto de 2011

O renascimento da nova Fênix

Compromisso

O nosso compromisso é transformar os bons anões em admiráveis gigantes. Qual a magnitude do brilho em fazer os gigantes atuais mais poderosos do que já são?
É Davi vencendo Golias pela pedra de atiradeira!

Verdade

O novo mercado é baseado na verdade absoluta, afinal, o consumidor jamais poderá enganar-se a si mesmo!

Síntese

A SOCIEDADE UNIÃO FÊNIX tem por objetivo a reformulação dos preceitos básicos de mercado, colocando os consumidores com real força de comando sobre este e não mais sujeitando-se ao controle estabelecido pelas empresas.